sexta-feira, 28 de maio de 2010

A QUEM INTERESSAR OU PARA THAIZE




IZA CALBO

Eu só queria que você me amasse
Que não esperasse nada além
Que nunca tivesse crescido e começasse a pensar
Que entendesse
Que nunca, em momento algum
Desejei que alguém te fizesse mal
E que se o fez
Foi sem que eu tivesse consentido
Que a tua voz de mágoa
Me tira o sono
Me enruga a tez
Eu só queria que nós fossemos
Mãe e filha
Só isso
Rindo, comendo e bebendo juntas
Ainda que muitas coisas estivessem erradas...
Eu não queria ser julgada sem defesa
Condenada por você assim
Sem um ato sequer de explicação
Se fiz algum mal
Foi para tentar te proteger
Jamais imaginei
Na candura do possível PAI
A mão ambígua do inimigo.
Mas se nada disso vês!

Porque passo noites insones
A imaginar como seria
Se tivéssemos permanecido
No próprio caos?
Jamais quis te colocar no Inferno
Mas o fiz sem querer
E o demônio virou anjo
E eu... Diabo
Que assim seja então....
Não vou te pedir perdão
Porque palavras são ladras
E não quero roubar-te as certezas
Que carregas sem, ao menos,
Questionar as verdades.
Vai. Fica em paz e sem mim.
Só fiz te amar mais e mais...
Mereces-te?
Claro.
És a única com inocência neste URDIR de verdades sem
explicações.

Imagem: NET

2 comentários:

Marcio Evangelista dos Santos disse...

Oi, Iza! Fico com medo de estar invadindo a sua intimidade, mas entendo, ao mesmo tempo, que se você a publica é porque deseja que seja lida. Então continuo te lendo.Que maravilha: "... as palavras são ladras, não quero roubar-te as certezas..." Certas iniciativas ou atitudes nossas enquanto pais só serão entendidas quando nossos filhos se tornarem pais. Até lá só nos resta amá-los. Abraços do amigo, Márcio.

... disse...

Olha eu aqui, Iza amiga, retribuindo tua visita, e me encantando com as luzes e as sombras da tua alma linda... virei mais, com certeza, por que teus escritos me fascinam... beijo procê